Terminal Hidroviário do Porto de Belém “Luiz Rebelo Neto”

Conheça o novo Terminal Hidroviário de Belém. Fruto de um investimento de R$ 19 milhões, a obra representa um salto de qualidade na prestação de um serviço essencial para a mobilidade das pessoas: o transporte hidroviário de passageiros. Com capacidade para atender, em média, a cerca de 1,5 milhão pessoas por ano, o complexo foi construído em uma área de cerca de cinco mil metros quadrados, no Galpão 9 da Companhia das Docas do Pará (CDP).



Estado inaugura o novo Terminal Hidroviário do Porto de Belém


26 de maio de 2014

O governo do Estado inaugurou, no fim da tarde desta sexta-feira (23), o Terminal Hidroviário do Porto de Belém “Luiz Rebelo Neto”. Com capacidade para atender, em média, a cerca de 1,5 milhão pessoas por ano, o complexo foi construído em uma área de cerca de cinco mil metros quadrados, no Galpão 9 da Companhia das Docas do Pará (CDP), à avenida Marechal Hermes, próximo à Visconde de Souza Franco, às margens da Baía do Guajará. A inauguração reuniu diversas autoridades, entre elas o governador Simão Jatene.

Fruto de um investimento de R$ 19 milhões, co-financiada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a obra representa um salto de qualidade na prestação de um serviço essencial para a mobilidade das pessoas: o transporte hidroviário de passageiros. O governador foi recebido no terminal por cerca de 300 pessoas. Antes das formalidades de inauguração, Jatene visitou as salas da Companhia Paraense de Turismo (Paratur) e do Pro Paz, percorrendo toda a área comum do prédio.

Embora seja um dos vértices do sistema de transporte paraense, o modal fluvial sempre é colocado pelos gestores públicos em posição inferior em relação aos modais rodoviário e aeroviário. O Terminal Luiz Rebelo Neto altera essa realidade. O diretor da Companhia de Portos e Hidrovias (CPH), Abraão Benassuly Neto, lembrou que a obra é planejada pelo governo do Estado desde o inicio da gestão, em 2011, sendo uma das prioridades apontadas na Agenda Mínima. “A população de Belém, da região do Marajó e do Baixo Amazonas já clamava há muito tempo por mais dignidade no transporte de passageiros por via fluvial”, afirmou.

O operário Silvio Almeida, um dos trabalhadores que participaram da construção do Terminal Hidroviário, ressaltou a importância de investimentos como este, não apenas para fomentar o turismo e dar dignidade aos serviços de transporte de passageiros, mas também pela geração de emprego e renda para a população. “São oportunidades para pais de família. Isso muda a vida da gente”, afirmou.

Qualidade – Ao entrar no novo prédio, o cidadão paraense terá as mesmas condições de conforto e segurança que estão presentes, por exemplo, no Aeroporto Internacional de Val-de-Cans. O prédio, totalmente climatizado, oferece um naipe de serviços que vai além da compra de passagens, embarque e desembarque de passageiros. Há lojas, praças de alimentação, atendimento turístico, apoio logístico, rede de fiscalização social e fiscal e em breve um grande estacionamento do outro lado da avenida.

“É uma obra de alto nível, que socializa a qualidade para a gente simples que usa desse modal de transporte, para o povo ribeirinho e para o turismo paraense”, destacou o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, Marcio Miranda. Além disso, o Terminal Hidroviário revitaliza mais um setor urbano localizado às margens da Baía de Guajará, abrindo nova janela para o rio e associando-se à Estação das Docas, Mangal das Garças, Casa das Sete Janelas e Forte do Presépio na reconstrução da paisagem local com modernidade mas sem comprometer traços históricos da cidade de Belém.

O governador fez questão de sublinhar sua condição de servidor público e a felicidade de um servidor quando consegue realizar sua missão. “Em toda a sociedade existe uma única fonte de recursos. É o cidadão, que paga os seus impostos. Quem construiu esse terminal foi o cidadão. Nós somos apenas as ferramentas. Somos servidores públicos. E ao inaugurar uma obra é um serviço público de qualidade sendo disponibilizado para público, que o financia. É uma bobagem alguém chegar e dizer: ‘estou trazendo essa obra…’ Bobagem. Este é o nosso papel. Nosso dever. São vocês, a sociedade, que merecem o nosso agradecimento. Muito obrigado ao povo do Pará por esse belo terminal”, finalizou.

Fonte: Paulo Silber / Secretaria de Estado de Comunicação


PREVISÃO DE CONCLUSÃO

Maio de 2014


VALOR GLOBAL

R$ 19 milhões


ANDAMENTO

100%

SECRETARIAS ENVOLVIDAS

  • Secretaria responsável: Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH) Órgão beneficiado: Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH)

  • EMPRESAS RESPONSÁVEIS

  • Coliseu